Você é uma pessoa de 1 caixa ou 2 caixas?

Não entendeu a pergunta? Vou fazer de novo.

Imagina que você foi apresentado a duas caixas. Caixa A e Caixa B.

  • Caixa A contém $1.000.
  • Caixa B contém $1.000.000 ou nada.

E essa são as regras que temos do jogo:

  • A quantidade de dinheiro na Caixa B será determinada por uma entidade excepcionalmente capaz de predizer o futuro chamada de Omega. Vale dizer que Omega, costuma acertar quase sempre as suas previsões. Se Omega prever que você escolherá levar as duas caixas, então não haverá dinheiro na Caixa B. Se Omega prever que você levará somente a Caixa B, então haverá $1.000.000 na caixa. 
  • Até agora, Omega ainda não errou suas previsões. Ela tem acertado em todas as ocasiões que observou até agora. 
  • Quando você é apresentado às caixas, Omega já se retirou do local onde elas estão. A previsão já foi feita, a tempo de começar o jogo, e o conteúdo da Caixa B já está definido.
  • Você não poderá escolher a Caixa B primeiro e depois abrir a Caixa A. Ou você escolhe as duas caixas ou somente a Caixa B.
  • Se Omega prever que o jogador vai escolher ao acaso, então a Caixa B estará vazia.

Considerando que você quer levar o máximo de dinheiro possível, você escolherá levar as duas caixas ou somente a Caixa B? Então, você é uma pessoa de 1 caixa ou 2 caixas?

 

Em resumo, o jogo acima é conhecido como o Paradoxo de Newcomb, experimento matemático-filosófico pensado em 1960 pelo físico William Newcomb que busca explicar os mecanismos do livre arbítrio. Até hoje, o experimento é largamente utilizado, do ponto de vista filosófico, para discutir o valor e ocorrência de liberdade de escolha ou do livre arbítrio, embora alguns pensadores defendem pela impossibilidade de aplicação ao mundo real. 

No entanto, se analisar o problema sob a ótica da teoria do caos, em princípio, é impossível determinar a previsão de uma entidade complexa, fazendo da previsão Omega imprevisível pelo jogador, diante do uso de um processo inerentemente imprevisível como, por exemplo, um evento de origem quântica (intuição humana ou estrutura de raciocínio humana), fazendo da previsão uma escolha totalmente aleatória.

Apesar de não haver resposta certa, a ideia do jogo é entender a escolha do jogador e as razões por trás disso. Assim, a essência do jogo é baseada na discussão entre a predestinação ou livre arbítrio sem intervenção divina.